Jane Got a Gun: Natalie Portman vira pistoleira em trailer, fotos e pôsteres de western

 

A Mars Films divulgou o primeiro trailer e três pôsteres de personagens de “Jane Got a Gun”, western feminista estrelado por Natalie Portman (“Cisne Negro”). Lançada para o mercado francês, a prévia resume o dilema da protagonista. Na trama, Portman interpreta Jane, mulher casada com um fora-da-lei (Noah Emmerich, da série “The Americans”) que, após ser ferido, chega em casa perseguido por sua antiga gangue. Para salvar sua família, ela acaba recorrendo ao seu ex-amante (Joel Edgerton, de “Êxodo: Deuses e Reis”), que é um hábil pistoleiro, buscando também aprender a se defender. O problema é que a recompensa pela cabeça de seu marido é uma tentação irresistível.

A prévia destaca todo o elenco, que inclui ainda Ewan Mcgregor (“O Impossível”), Boyd Holbrook (série “Narcos”) e o brasileiro Rodrigo Santoro (“Golpe Duplo”), visto brevemente como um dos foras-da-lei.

Os bastidores da produção foram bastante conturbados, graças à desistência da diretora original, Lynne Ramsay (“Precisamos Falar Sobre o Kevin”), na véspera do começo das filmagens em 2012. A saída inesperada de Ramsay gerou um efeito cascata, com várias desistências no elenco, enquanto Portman, que também é produtora do longa, procurava um novo diretor. A função acabou nas mãos de Gavin O’Connor (“Guerreiro”).

Por sua vez, a participação de Joel Edgerton (em papel que seria originalmente de Michael Fassbender) trouxe também uma contribuição do ator para o roteiro da trama. Roteirista experiente, ele já assinou os enredos de “Felony” (2013), “The Rover – A Caçada” (2014) e do suspense “O Presente”, lançado este ano nos EUA, e colaborou com uma revisão na história escrita por Brian Duffield (“A Série Divergente: Insurgente”).

“Jane Got a Gun” terá lançamento antecipado na França, no dia 25 de novembro, e só chegará aos cinemas americanos em fevereiro. Ainda não há previsão para sua estreia no Brasil.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna