George Romero encontra cenas inéditas do clássico A Noite dos Mortos-Vivos

George Romero encontra cenas inéditas do clássico A Noite dos Mortos-Vivos

 

O mestre do terror George A. Romero encontrou 9 minutos de cenas inéditas de seu clássico “A Noite dos Mortos-Vivos” (1968), o marco inaugural dos filmes de zumbis modernos. A novidade foi divulgada durante a sua participação no evento Monster Mania, em Maryland.

Segundo Romero, os fotogramas encontrados revelam uma nova sequência passada no porão da casa em que os personagens se abrigam, descrita por ele como “a maior cena de zumbis no filme”.

A revelação alimenta rumores de que o cineasta está trabalhando na restauração dos negativos originais, ao lado de Martin Scorsese e seu American Film Institute, para lançar uma nova versão do clássico de terror. Essa cena inédita deve fazer parte do projeto, mas não houve, até agora, nenhuma confirmação oficial nesse sentido.

O longa original mostrava um grupo de pessoas se protegendo numa casa isolada durante um ataque dos mortos-vivos. Filmado em preto e branco e com orçamento mínimo, a obra impressionou por criar uma ameaça até então nunca vista: uma epidemia apocalíptica zumbi. Até então, os zumbis dos filmes de terror eram criaturas ligadas ao vudu e ao folclore haitiano. “A Noite dos Mortos-Vivos” foi o filme que mudou tudo, trocando a base supersticiosa das criaturas por uma ameaça de raízes na ficção científica apocalíptica – tudo teria começado com a queda de uma sonda espacial.

O próprio Romero continuou a história, dez anos depois, com “O Despertar dos Mortos” (1978), mostrando a epidemia zumbi atingindo uma grande metrópole. O sucesso foi tanto que os filmes de zumbis se espalharam pelo mundo como epidemia real. O diretor ainda desenvolveu seu conceito com outro clássico, “Dia dos Mortos” (1985), e em seus três filmes mais recentes, “Terra dos Mortos” (2005), “Diário dos Mortos” (2007) e “Ilha dos Mortos” (2009).

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna