13 Horas: Michael Bay explode terroristas em trailer de filme de ação

13 Horas: Michael Bay explode terroristas em trailer de filme de ação

 

Já pensou como seria um filme de “Transformers” sem os robôs gigantes? O trailer de “13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi”, responde a essa questão crucial. A prévia do novo filme do diretor Michael Bay, a mente e o ego por trás da franquia “Transformers”, é repleta de explosões, fogo, bandeiras tremulando, tiros para todo o lado, correrias, gritaria, situações impossíveis e heróis capazes de enfrentar uma ameaça muito maior que suas possibilidades. Só que em vez de Decepticons, os vilões são terroristas muçulmanos.

O filme é a versão hollywoodiana do ataque à Embaixada dos EUA em Bengasi, na Líbia, que aconteceu durante a chamada Primavera Árabe em 2012, no 11º aniversário dos atentatos de 11 de setembro. Durante a escalada de violência e anarquia da rebelião que derrubou o ditador Muammar Gaddafi, o rastro de destruição se voltou contra os símbolos do “grande satã”, culminando na invasão da Embaixada e no assassinato do embaixador dos EUA J. Christopher Stevens, primeiro embaixador americano morto em serviço desde 1979.

O roteiro de Chuck Hogan (série “The Strain”) adapta um livro de Mitchell Zuckoff, que centra a ação na tropa de elite que tentou proteger a Embaixada do ataque muçulmano. O elenco inclui John Krasinski (série “The Office”), James Badge Dale (“Homem de Ferro 3”), Max Martini (“Círculo de Fogo”), David Costabile (“Lincoln”), Pablo Schreiber (série “Orange Is the New Black”), David Denman (série “The Office”) e Toby Stephens (série “Black Sails”).

“13 Horas” estreia em 15 de janeiro nos EUA, esperando repetir o sucesso de “Sniper Americano”, que chegou ao grande circuito nesta mesma data em 2015. No Brasil, o lançamento acontece seis dias depois, em 21 de janeiro

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna